Category Archives: lojas

Conheça o reggae da banda 4º Ideal

Como vocês sabem, os vendedores da Acústica são não apenas elogiados pelo atendimento, mas também pelo talento musical, levado em projetos pessoais, que vão do metal ao gospel. Hoje, nós apresentamos pra vocês o trabalho da banda 4º Ideal, do nosso vendedor Rodrigo Teista. A banda surge como uma das promessas do reggae nacional e se destaca pela acuidade na produção das canções.

Rodrigo Teista (voz e guitarra, logo à frente, aqui na foto), Edu Jama (voz e baixo), Leonardo Zonenschein (guitarra), Rafael Menendez (bateria) imprimem às músicas influências de ritmos jamaicanos, surf music, rock, música nordestina, rap e até bossa nova, no disco ‘Diário Cotidiano’, produzido por Roberto Lly, com participações de Fernando Magalhães (Barão Vermelho) e do rapper franco-suiço Shaka Z. Confira no Myspace dos caras.

Aqui, eles batem um papo com o cantor Vinny, no programa WTN Show:

Há dez anos na estrada, com formações e influências diferentes, hoje o 4º Ideal passeia pelo reggae, pelo dub, pelo maracatu e pelo hip-hop, com a harmonia suave de faixas como Do Alto da Cachoeira, gravada para o canal Oi Novo Som. Confira:

CLIQUE AQUI para conferir outros vídeos da banda

Contatos: (21) 7895-8155 / 7853-0896 / producao.4ideal@gmail.com

Anúncios

Vendedores da Acústica participam de workshop da Liverpool

Se você visitar uma das lojas Acústica, pode perguntar qualquer coisa sobre baquetas! Na semana passada, mais uma vez, nossos vendedores estiveram em uma atividade de atualização de técnicas de produtos. Eles participaram de um workshop ministrado por Lellei Pinheiros, endorser da Liverpool, maior fabricante de baquetas do Brasil. A empresa nos cedeu gentilmente a participação de Lellei, que apresentou aos funcionários da Acústica os últimos modelos e inovações técnicas da marca.

Lellei Pinheiros é formado na Escola de Música Villa Lobos (teoria musical, leitura rítmica e percussão popular), com especialização em diversas técnicas de execução, tendo trabalhado ao lado de grandes nomes da área. A Liverpool tem um modelo de baqueta exclusivo, assinado por ele.

Lellei Pinheiros (no centro, de camisa cinza), com funcionários da Acústica

CLIQUE AQUI para ver mais fotos

O pessoal da Acústica está bem atualizado sobre os produtos da Liverpool e sobre baquetas em geral, mas se você também quer algumas dicas, fique ligado nessas aqui:

** Os números nas baquetas servem para dar uma impressão a respeito de seus tamanhos. Nos modelos “A” e “B”, quanto maior o número, menor é a baqueta.

*** As baquetas de bandas marciais e/ou fanfarras, são designadas com esse conceito numérico ao contrário. Exemplificando, as baquetas 1S são menores que as 2S, que são menores que as 3S.

** Embora muitos bateristas tenham pegada e/ou técnicas muito peculiares dentro de um estilo musical, lembre-se que baquetas finas, como uma 7A, geralmente não aguentam muita pancada. Elas são feitas para estilos mais suaves, como o jazz, pois proporcionam maior leveza e rapidez. Para estilos pesados, como o hard-rock,  prefira baquetas mais  grossas, como uma 5A, 5B, 3A, 2B…

*** As baquetas Liverpool são confeccionadas com madeiras criteriosamente selecionadas e livres de impurezas. A fabricação atende ao mais alto nível de qualidade exigido pelos bateristas e muitos modelos possuem características originais da empresa, como formato da cabeça, corpo e madeira utilizada.

Confira abaixo alguns dos modelos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Há mais de 20 anos no mercado, hoje a Liverpool é distribuída em mais de 30 países e marca de referência no Brasil e no mundo. A empresa oferece uma gama de mais de 300 produtos entre baquetas e acessórios para bateria e percussão, com uma produção que chega a mais de 150.000 pares mensais de baquetas.

Teclado Yamaha PSR-E323 é o produto mais vendido nas lojas Acústica

A equipe do blog quis saber quais eram os produtos mais vendidos nas lojas da rede Acústica Perfeita. Descobrimos que o teclado Yamaha PSR-E323 figura no topo dos instrumentos que mais saem das lojas. Criamos um ranking de 5 produtos mais vendidos e o resultado foi o seguinte:

1º. Teclado Yamaha PSR-E323
2º.
Guitarra Condor RX-20
3º. Contrabaixo Cort C-4 Z Ativo
4º. Bateria Odery PR-20
5º. Violão Digiorgio Estudante 18 Acústico

Sobre o PSR-E323: Com sensibilidade ao toque, oferece 482 vozes dinâmicas e autênticas, 361 vozes XGlite, 12 kits de bateria e 1 kit de efeitos sonoros. Também dispõe de 106 estilos de acompanhamento e de 102 músicas. A base de dados musical, com cem músicas, permite que você configure instantaneamente todo o instrumento para um gênero musical desejado. A função especial de Easy Recording de duas faixas permite gravar e guardar até cinco das suas músicas originais — ideal para compor e praticar.

Nos próximos posts vamos falar um pouco mais sobre cada um dos outros produtos desse Top-5 do blog. Até!

Feira de Música já movimenta mercado do Rio

Carol Góes, com representantes da Santo Ângelo, Nig Music e RouxinolA Feira da Música do Rio de Janeiro começa hoje e nossos contatos já estão a todo vapor.

Na Acústica Acessórios agora pela manhã, Carol Góes, diretora da Acústica Perfeita, recebeu representantes da Nig Music, Rouxinol, Santo Ângelo e Musical Express, que até já adiantaram algumas novidades aqui pro blog. O pessoal da Nig  /Rouxinol vai expor pedais de efeito para guitarra e baixo, durante a feira, de acordo com Maju, representante da empresa.

Já o pessoal da Santo Ângelo vai expor cabos montados e cabos em rolo durante o evento. As outras novidades, você confere aqui no blog na próxima semana, mas também pode conferir na feira: no domingo, ela será aberta aos músicos, com entrada a R$10,00.

Nelson Motta fala sobre Jimmy Hendrix ao blog da Acústica

Tivemos alguns minutinhos de conversa com o jornalista, durante gravação de reportagem em uma das lojas

Mais uma vez, uma loja da Acústica é escolhida como cenário para matéria de TV. Desta vez, recebemos a ilustre visita de Nelson Motta, conforme postamos aqui, no início da semana. A simples presença do jornalista já foi uma experiência marcante pra gente – Nelson é um ícone da história da música brasileira: suas letras já foram interpretadas por Gal Costa, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Elis Regina, Elizeth Cardoso, Maria Bethânia, Rita Lee, Djavan… A lista é extensa. Nana Caymmi, Erasmo Carlos, Tim Maia, Sergio Mendes – praticamente todos os grandes intérpretes da nossa música têm alguma relação com o cara. Compositor, produtor musical, jornalista, escritor, já foi casado com a atriz Marília Pêra, foi o responsável pelo lançamento de Marisa Monte no cenário artístico, além de ter sido criador da casa noturna Dancin’ Days, a primeira discoteca do Brasil, montada em 1976, cujas garçonetes cantoras logo seriam conhecidas como As Frenéticas.


Autor de “Noites tropicais: solos, improvisos e memórias musicais” (2000), “Vale tudo – O som e a fúria de Tim Maia” (2007) e do recentemente lançado “Força estranha”, Nelson Motta é referência bibliográfica quando o assunto é música. Na visita que fez à Acústica (Rua da Carioca, 43), depois de horas de gravação, ele deu uma palavrinha rápida com a equipe do blog, explicando um pouco da matéria sobre Jimmy Hendrix, que vai ao ar nesta sexta-feira à noite, no quadro sobre música, que apresenta no Jornal da Globo.

Confira aqui o making off, no flickr da Acústica

“Aproveitei o lançamento do disco Valleys of Neptune [Sony] pra fazer uma coluna sobre o Jimmy Hendrix. O gancho foi o lançamento deste disco inédito, quarenta anos depois de sua morte. Na coluna, estou fazendo uma revisão da carreira dele, quando ele começou na Inglaterra”.


E Nelson nos conta um pouco sobre a vida do astro:

“Os Beatles eram fãs dele. Eric Clapton, Jeff Beck, The Who, todo mundo virou fã do Hendrix em Londres, enquanto ninguém o conhecia nos EUA. Se bem que o Jimmy Hendrix, antes de ir para a Inglaterra, tocou com BB King, com Isley Brothers e com o Little Richard. Ele fez um curso completo de blues, de R&B com o Isley Brothers e de rock and roll com o Little Richard. Juntou tudo isso com o gênio dele e aprendeu muito de guitarra, de distorções. Ele teve aula com Frank Zappa. O Jimmy embalou isso tudo e estourou. Nos EUA não deu muito certo, mas quando ele foi pra Inglaterra, aí que ele fez a Jimmy Hendrix Experience e começou a ser visto, virou um gênio da guitarra”.

No meio da gravação, entre guitarras Fender e Gibson, escolhidas minuciosamente pela equipe, eis que um trompete sai da vitrine e entra também em cena:

“[Na matéria], falo também do Miles Davis, que tinha o sonho de gravar com Jimmy Hendrix – algo que nunca aconteceu. Então a gente vai misturar na televisão uma gravação do Hendrix com outra do Miles Davis”, explica Nelson.


Nós perguntamos se esse mash up de artistas é ainda uma questão quente, dentro do debate sobre a lei de Direito Autoral e ele responde:

“Eu acho um avanço e acho que isso tem que ser legalizado, como foram os samples. Hoje pessoas podem samplear o que quiser, pagam os direitos, tem créditos no disco. É civilizado. E isso vai existir cada vez mais. Pra mim, o que interessa é o resultado. Quantos discos não foram feitos com duetos póstumos, não é? Tem uns que são ridículos, constrangedores, deviam ser proibidos! Tem outros que são sublimes, geniais. A tecnologia nos permite isso. Às vezes dá muito certo. Tem o Renato Russo cantando com a Marisa Monte, que é um espetáculo. O que interessa é isso”.

[ Jean Souza]

Nelson Motta confere guitarras na Acústica

Sabem o Nelson Motta? Pois é, o jornalista, produtor cultural e compositor, ícone da música brasileira, fez uma visita à Acústica ontem pela manhã. Na loja 43 da Rua da Carioca, Motta gravou trecho do quadro que apresenta no Jornal da Globo, sobre música.

A loja foi escolhida por ter alguns modelos de Fender Stratocaster, guitarra usada pelo astro Jimmy Hendrix no auge da carreira. A Sony está lançando o álbum Valleys of Neptune, com 12 interpretações inéditas gravadas pelo guitarrista pouco antes de sua morte, no final dos anos 60. A matéria vai ao ar na sexta-feira, 21 de maio.

Muito simpático, Nelson Motta conferiu alguns modelos de Fender e Gibson da Acústica e ainda gravou ao lado de um trompete, pra homenagear o músico Miles Davis.

Ainda nesta semana, a gente publica uma pequena conversa que teve com ele. Aguardem!